Pedir não é cobrar

Pedir não é cobrar.

Existe uma enorme diferença entre cobrar e pedir ajuda.

A Umbanda é uma religião sem preconceitos, mas sofre pelo preconceito.

E esse sofrimento se dá pela falta de respeito em todos os sentidos e, claro, a questão mais polêmica é a financeira.

Vamos começar salientando que Umbanda é caridade que não se paga, é amor que não se mede e é dedicação que não se discute.

Por isso a Umbanda ajuda, mas não cobra e pede, mas não exige. Mas o que mais acontece é que quando um dirigente fala em ajuda material tem consulente que já sente um arrepio e logo pensa:
“Estava demorando! Eu sabia que essa coisa de umbanda é macumba mesmo!

Imagina, o pai de santo quer que eu pague suas contas!”, e logo vai embora falando horrores do terreiro e da Umbanda.

O problema é que este consulente esquece que ele lavou as mãos, que deu descarga no banheiro, que o chão está limpo, que as luzes estão acesas, que há velas no altar, que ele é defumado, que existe um imóvel pelo qual se paga impostos, aluguel, contador, faxineira… Nossa, uma infinidade de coisas! E na próxima semana o Centro estará lá: novamente de portas abertas com o chão limpo, as luzes acesas, velas no altar…
Não se percebe que há necessidades básicas para se realizar um trabalho espiritual e que o consulente também tem o dever de colaborar e não de julgar, afinal de contas ele se aproveita também materialmente do local.  O entendimento de que a ajuda financeira também é obrigação da assistência, e não somente do corpo mediúnico, é necessário e deve ser encarado naturalmente sem nenhum tipo de constrangimento, tanto por parte dos dirigentes espirituais, que devem pedir pois se não pedirem poucos colaboram, quanto por parte do corpo mediúnico e da assistência.
Observem: A igreja católica pede e incentiva o dízimo com agradecimentos públicos e visitas particulares  e ninguém xinga o padre.

Nos centros kardecistas as pessoas doam com muito orgulho casas, sítios, terrenos, etc. Os pastores desafiam os fiéis a “dar uma prova de fé” e as igrejas evangélicas estão aí, tornaram-se uma potência religiosa.

Pessoas vendem milagres a preços exorbitantes e prometem rapidez no resultado do trabalho e esses são os bons aos olhos dos clientes, pois nestes casos não existe a Vontade de Deus, nem a religiosidade.

Mal sabem os que pagam por isso que realmente conseguem o que querem por terem ativado forças negativas poderosíssimas que aceitam o pagamento, mas que cedo ou tarde se voltam contra o próprio “cliente”.
Tudo muito natural, não?

Para eles sim, mas para os dirigentes espirituais quando há a necessidade de pedir morrem de vergonha e são taxados de macumbeiros, trambiqueiros e caras de pau. Conclusão: o dirigente e os médiuns literalmente pagam para abrir as portas do Centro Umbandista, pagam para fazer a caridade e pagam para ajudar o assistido que é o maior beneficiado e também quem mais fala mal da nossa querida Umbanda tão maltratada e tão mal falada. Essa Umbanda que não cobra nada, mas necessita de tudo.

Necessita de ajuda, amor, dedicação e principalmente de respeito.
A Umbanda precisa de ajuda, de pagamento não.

A Umbanda pede, mas não cobra.
Axé a todos!
Escrito por Mãe Mônica Caraccio

Tomei a liberdade de incorporar o texto acima por concordar com a Mãe Mônica Caraccio.

“Receber da Umbanda todos querem, ajudar ninguém pode”.

 

Pensemos nisso.

                                          

O Centro Pai João de Angola
” É um Patrimônio meu, seu e de todos nós , colabore”.

As  pessoas que procuram o centro sabem  o elas que precisam, são assistidas são ajudadas e quase sempre, nunca perguntam como posso ajudar, como contribuir, o que posso fazer pra ajudar essa casa pra que ela possa continuar ajudando os necessitados.

A grande maioria dos frequentadores acreditam serem merecedoras de todas as graças que tem em mente, que os guias são objetos de suas mazelas, que tem obrigação de ajudar.
Outros acreditam que o Pai ou a Mãe de santo tem que estar 24 horas por dia a disposição, incluindo sábados,domingos e feriados e as consultas tem que ser exatamente no melhor  dia e hora pra elas.
Outros quando querem alguma coisa não sossegam e nem dão sossego além de vir se consultar, ligam, mandam e-mail , mensagem por celular,entram no MSN, ou sejam querem a todo custo o que seu fracos méritos não alcançam, nem esperam as velas queimarem pra já estarem cobrando, após conseguirem alcançar seus objetivos nem se quer se lembram de agradecer.

Av. Dona Sofhia Rasgulaeff 177.
Jardim Alvorada/ Maringá /Paraná
Telefone:
(44) 3034-5827 (44) 99956-8463
Consultas Somente com Hora Marcada.
Atendimento: de Segunda a sexta-feira
Das 09:00 as 19:00 horas.
Não damos consultas:

via whatsapp ou via E-mail.