Assentamento de Exu

Assentamento de Exu

Um dos assuntos que mais causa polêmica nos adeptos dos cultos afro-brasileiros é o ritual de assentamento de Exu.

Assentar ou fazer alguém tomar assento significa fazer com que algo ou alguém seja colocado sobre uma fundação, ajustando as energias e aplicando-as para diversos fins.

O Exu não possui corpo material. É um ser que, apesar de possuir fagulhas ígneas, está no plano astral e no campo cósmico. A Quimbanda Brasileira entende que os Exus são os espíritos dos mortos que receberam o título de uma legião e agem em conformidade com a mesma. Tais espíritos já estiveram presos no invólucro material (corpo físico) e possuíam características individuais que, segundo as diretrizes do nosso templo, devem ser cultuadas.

Partimos da ideia que os assentamentos de Exu (chamado pelos africanos de “Igbá Èsú”) são um grupo de fetiches que geram uma força de canalização dentro do culto de Exu.

Fetiches são objetos carregados de energias positivas e negativas que possuem poderes sobrenaturais e atributos mágicos. O conjunto desses objetos, acrescido de ritualísticas apropriadas criam um campo energético muito poderoso que possibilita a formação de um corpo físico para os seres que se encontram no astral.

O assentamento é uma forma de recriar um microcosmo onde o Exu será cultuado. Para que isso ocorra, são necessários elementos sagrados que formem todos os membros e órgãos desse novo corpo físico.

Deve ser feito de dentro de um “vaso” de barro ou caldeira de ferro que simbolizará o “Grande Útero Negro”, na nossa tradição chamado de Baphomet e, a partir desse estágio, receberá os demais elementos necessários. O útero é um local de gestação e evolução onde habitam forças da vida e da morte. Esotericamente, seus mistérios conectam ao inconsciente, aos abismos que separam luz e escuridão e os planos astral e material. A forma “uterina” está associada ao mistério do Graal, onde o sangue do Dragão é o infinito mar amorfo.

O “esqueleto” ou centro de sustentação é a “ferramenta” ou o boneco de Exu ( feito em ferro) que será colocado dentro desse vaso. As “ferramentas” são os pontos riscados confeccionados em ferro por habilidosos ferreiros. Esses artistas do ferro também podem confeccionar bonecos e bonecas de Exu conforme a necessidade dos dirigentes. Importante salientar que tanto na “ferramenta de Exu” quanto nos bonecos, as armas que definirão a polaridade (+,-) do espírito são parte da composição. Portanto, a “ferramenta” ou boneco possuem atributos de sustentação, batalha e poder magístico, bem como outras características.

Essa “ferramenta” ou boneco será firmado no fundo do caldeirão (panela) ou “alguidar” (vaso de barro) com argila negra. Essa argila é rica em ferro e representa uma espécie de “sangue negro” do reino mineral, além de ser parte da formação do “Corpo de Exu”. A relação do barro com o corpo dos deuses e dos homens é retratada em muitas culturas milenares (sumérios, gregos, hebreus) e o mito de Exu diz que sua formação deu-se através da junção de três elementos: Terra, água e hálito. Além dos aspectos mitológicos, o barro é uma síntese dos elementos, afinal, modela-se o barro com a água que necessita do ar no processo de secagem e por ultimo o fogo que queima a peça e a fortalece.

Desse mesmo reino mineral vem outros componentes primordiais para a existência dessa “habitação de Exu”. O “Okuta” ou “Ota” é uma pedra preparada para a realização dos assentamentos. Seu significado dentro do culto de Exu é assemelhar-se ao coração do assentamento, pois desse fetiche pulsará as energias necessárias para a vida no “vaso”. Existem muitas formas sagradas de encontrar o “Okuta”, porém, descreveremos de forma simplória como efetuamos esse procedimento dentro do nosso templo. Como nosso culto não está associado ao culto de deidades africanas e sim de espírito/sombra dos mortos arrebatados pelas correntes de Exu, a pedra “Okuta” não necessita de muitos ritos exigidos em outras vertentes religiosas. Acreditamos que independente do Reino que a pedra foi encontrada, possui mistérios “adormecidos” que serão avivados através dos rituais. Portanto, muitas pedras podem ser o “Okuta” de Exu, pois podemos ativar sua formação buscando a história do planeta e das civilizações, contadas através do desenvolvimento rochoso da qual se desprenderam as partículas formadoras.

Um “Okutá” pode ser qualquer tipo de pedra, seja de origem mineral ou vulcânica. Sob nosso entendimento, mesmo as adquiridas em lojas especializadas são consideradas válidas, haja vista que podem ser despertas através dos rituais adequados. Quando a pessoa tem acesso aos pontos naturais (florestas, rios, pedreiras, cemitérios, estradas e encruzilhadas de terra batida, cavernas dentre outros) para procurar uma pedra significativa, ao encontra-la deve solicitar “licenças” aos Reis e Rainhas do ponto e deixar no local um pedaço de “fumo de corda”, uma garrafa de “Marafo” (cachaça) e sete moedas correntes. Feito o procedimento, essa pedra deverá ser levada ao local ritualístico e ser preparada como fetiche para assentamento.

Muitos tipos de pedra podem ser usados como pontos que emanam força e virtudes nos assentamentos. Segue uma pequena listagem acerca das pedras (cristais) e suas qualidades para o uso no culto de Exu.

Ágata de Fogo: Poder, dinheiro, força e sedução. Pedra associada ao planeta Mercúrio.
Carvão (Mineral): Sangue negro, ativa emanações saturninas e atrai dinheiro. Pedra associada ao planeta Terra.
Diamante: Espiritualidade, força, poder de penetração e corte.
Esmeralda: Atrai fortuna e bons negócios. Pedra associada ao planeta Vênus.
Cristal de Enxofre: Limpeza, desobstrução e ataque astral.
Hematita: Confiança.
Lápis Lazúli: Poder no mundo dos antigos, cura e proteção. Pedra associada ao planeta Vênus.
Lava: Pedra que representa os quatro elementos. Poder de proteção através do fogo.
Obsidiana: Pedra do elemento fogo, carregada de poder saturninos. Carrega o próprio poder de assentamento energético e a advinhação através de visão espiritual.
Ônix: Afasta os inimigos e energias nocivas ao desenvolvimento carnal, material, espiritual e mental. Pedra associada ao poder de Saturno que promove o autocontrole.
Pedra da Lua: Intuição, psiquismo, controle das emoções, aberturas oníricas. Pedra associada aos poderes da Lua.
Pirita: Dinheiro.
Rubi: Incita paixões e luxúria. Pedra associada ao fogo e ao sangue.
Turmalina Negra: Proteção. Pedra ligada aos poderes ctônicos e ao sacrifício. Associada ao planeta Saturno, também representa a força de assentamento energético. Por absorver energias nocivas, age como escudo de proteção.

Uma pedra fundamental para os assentamentos é a “Yangui”. Essa pedra de aspecto ferruginoso é conhecida como “laterita”, uma pedra rica em ferro, alumínio e nutrientes do solo. Na mitologia Yorubá, a pedra “Yangui” representa o próprio “Èsú Yangui”, o multiplicador dos seres. Está intimamente ligada ao processo gerador da ancestralidade masculina e feminina, a voracidade e ao processo de retribuição.

Após o “Vaso morada” ter recebido o “corpo, a estrutura, o coração (além de outros atributos vindos de outras pedras) e a ancestralidade de Exu”, costuma-se agregar outros itens como forma de potencializar a morada de Exu. Todos os objetos descritos fazem parte da nossa tradição, portanto, serão contestados por inúmeras pessoas. Para nós, a opinião de outros grupos ou segmentos religiosos não modifica, injuria ou enaltece nossas práticas, pois acreditamos no valor energético dos nossos rituais.

São objetos de poder:

Animais secos: Usados nos “Vasos moradas” como poderes ocultos. Geralmente se opta por animais peçonhentos como aranhas (senhoras das teias – “Nahemoth”), serpentes, escorpiões e outros animais que podem ser inteiros ou em partes. Esses fetiches carregam os Exus de poderes ancestrais xamânicos, além de representarem elementos da psique humana que devem ser trabalhados na jornada evolutiva carnal. Na feitura dos Exus da Mata são elementos indispensáveis.

Azougue: Usado como força de Mercúrio, propicia a dominação da mente e dos impulsos que escravizam, pois atua como forte veneno que Exu usará para libertar.

Búzios (cauris): Na antiguidade os búzios eram moeda corrente na África, todavia, nos assentamentos de Exu exercem o papel de retentores de energia, pois as partes abertas do mesmo recebem a força vinda das ervas, terras e de todos os sangues que ficam armazenados dentro da concha. Costumam-se usar múltiplos de sete nos assentamentos.

Cabaça: Usado nos assentamentos como símbolo dos mistérios de Exu. Na cabaça estão todas as “mirongas”, pós e outros fetiches. Como a cabaça representa o símbolo fálico e o uterino, também refletem o aspecto dinâmico e receptivo de Exu e Pomba Gira.
Cadeado: Objeto usado nos assentamentos que necessitam que a energia seja retida. Nosso entendimento versa que apenas os Exus de Alma, Kalunga e Cruzeiro devem ter esse fetiche.

Chaves: Usadas como símbolos de abertura e fechamento de caminhos.
Corrente de aço: Usada como forte proteção, e instrumento de submissão aos ataques de inimigos, esse fetiche está associado ao Planeta Marte.

Dados: Objeto usado nos assentamentos como atrativo de sorte no destino. Podem ser relacionados aos oráculos ciganos, portanto, assim como os cadeados possuem direcionamento, entendemos que esse item está relacionado ao Reino da Lira.

Favas: São sementes usadas como forma de atrair os poderes ancestrais para o Exu. Cada fava possui qualidades adormecidas que serão despertas ao longo do rito de assentamento. O pó das favas também é chamado de “Sangue”, pois tem associação com o esperma. Exemplos:
Àrìdan/Aridan: Proteção contra mazelas e feitiços.
Garra de Exu: Fava pontiaguda e cortante, usada para proteção nos assentamentos.

Ferradura: Além de ser um objeto feito em ferro, desde a antiguidade era símbolo de proteção e boa sorte. No culto da Quimbanda a ferradura simboliza força para os caminhos, pois permite ao animal o calçamento necessário para andar em todos os terrenos.

Lanças ou “lanceiros de Omulu”: Feitos em ferro, são elementos de proteção e soterramento de energias nocivas.

Lanças de madeira: Possuem as mesmas funções dos lanceiros de ferro, todavia, são usados nos fetiches do povo das matas.

Ímã ou Pedra Ímã: Usado como campo magnético. Conecta os polos, abre portais astrais necessários para atrair ou repelir energias.

Moedas antigas (nacionais ou estrangeiras): Usadas como “pontos de riqueza dos antepassados”. Moedas possuem o poder de “comprar” e corromper alguém quando necessário. Quando colocadas no “vaso/assentamento” são objetos que se multiplicam no campo astral e concedem poder de barganha ao Exu.

Moedas Correntes (nacionais ou estrangeiras): Usadas como “ponto de riqueza e abertura de caminhos”. Age como uma força de transação monetária imediatista.

Ossos: Os ossos são símbolos de temporalidade e mortalidade, porém, são fetiches usados para renascer o poder dos mortos. Possui uma relação estreita com “Gólgota”, por tal motivo, os Exus e Pombas Giras da Kalunga, Cruzeiro e Almas usam caveiras e cruzes como símbolos de suas Legiões.

Parafuso de trem: Feitos em ferro, são objetos usados para prender os trilhos e assegurar o percurso dos trens através da fixação dos trilhos. Carregado de energias provindas do constante atrito, são poderosos fetiches para garantir que a jornada carnal dos adeptos esteja protegida de desvios acidentais.

Pó de Ouro: Usado como força solar que atrai riqueza e glória.

Pó de Prata: Usado como força lunar é fortemente associado à noite e as trevas. O uso no culto é para que exista a conexão da psique dos adeptos com a energia de Exu, além de promover a intuição e proteção ao longo das jornadas astrais.

Pó de Bronze: Usado como força do fogo, associado ao Sol, esse metal é atrativo de riquezas e glórias.

Pó de Cobre: Usado como força de Vênus trata-se de um metal receptivo, fortemente associado à polaridade negativa e feminina. Seu uso propicia atração de sensualidade e prazer e, por ser um grande condutor de eletricidade, também atrai a sorte.

Pó de Alumínio: Usado como força de Mercúrio, esse metal está associado à habilidade de expansão e ao contato astral.

Peça de estanho: Usado como força de Júpiter e associado ao elemento ar, esse metal é usado como “mensageiro”. Sempre que possível, coloca-se no “vaso” um projétil de estanho como forma de garantir proteção contra armas de fogo.

Peça de Chumbo: Usado como força de Saturno, o chumbo possui ligações com os poderes ctônicos e mortuários da Terra. Dentro dos assentamentos assegura a permanência dos conjuros, rezas e pedidos, além de possuir alto grau de proteção. Podem ser usados diversos símbolos em chumbo, como esferas, pequenas imagens (ex.: pães – que asseguram ao adepto não passar fome em sua jornada), punhais, “Ogôs”, dentre outras figuras. Pode ser substituído por pó de chumbo.

Punhal: Feitos em ferro, carregam a força marciana de guerra. Nos “vasos morada” são peças fundamentais para soterramento de energias, dissolução de feitiços e ataques espirituais, pois são propagadores do fogo. Representam no microcosmo uma das armas de Exu, que assim como os garfos/tridentes, exercem papel fundamental. Concedem hierarquia aos Exus.

Trilhos de trem: O trilho é a materialização dos caminhos feitos em aço e ferro. Simboliza a jornada espiritual e toda energia dinâmica que engloba desde a locomoção até a evolução espiritual. Nos trilhos existe uma energia muito grande capaz de abrir poderosos portais. Nos “Vasos morada” é uma peça importante, principalmente para os Exus que representam caminhos e encruzilhadas.

Os ítens descritos fazem parte da alquimia na feitura do assentamento de Exu.

Existem outros elementos que podem ser agregados conforme a necessidade e desejo da linhagem do espírito e de seu princípio individual, como por exemplo, no assentamento do “Senhor Exu Brasa” costuma-se usar cinzas de forno e, quando possível, cinzas de cremação. Já a “Senhora Maria Navalha” exige sete navalhas em torno do seu vaso e a Pomba Gira Cigana geralmente solicita cartas de baralho, fitas e vários tipos de fetiches associados ao povo andarilho. Tais particularidades são explicadas pelo conceito do culto africano a “Èsú Bara”. “Bara”, ao contrário do que leigos expõe em textos sem nexo, não é o Èsú coligado ao Òrisá, e sim o Senhor que traduz o princípio da individualidade dos seres regulando o destino de cada um deles. Na Quimbanda não cultuamos o “Bara”, todavia, existe o “Exu-Catiço” denominado “Bará de Rua” que pode estar associado ao culto. Se os antepassados que cultuamos estiveram na matéria, obviamente não são iguais. Cada Exu e Pomba Gira têm qualidades diversas, pois a legião que os atraiu não os destituiu das qualidades individuais.

Acerca de “Èsú Bara” existe outro ponto deveras importante a ser salientado. O “Vaso” de Exu representa a existência desse “Ser” no mundo espiritual (astral), chamado pelo culto “Yoruba” de “Òrun”. Em contra partida, a existência de Exu no “Àiré” (mundo físico) está intimamente ligado ao próprio corpo físico dos seres humanos.

Dito é pela cultura Yorubá que quando uma pessoa falece, seu corpo deve ser devolvido à Terra para que a mesma receba novamente a massa que modelou-o ao longo da existência terrena. Dessa forma, o “Bara” que lhe acompanha desaparece. Portanto, o culto africano nos deixa claro que a massa modeladora do corpo de Exu reside na própria Terra.

Para criarmos condições do corpo do Exu tornar a existir (haja vista que já teve sua existência no Àiré) a Quimbanda Brasileira usa a argila negra no início do processo de assentamento e, para finalizar a montagem do “Vaso” de Exu e lacrar os fundamentos, complementa a ritualística com uma mistura de sete tipos de terra representando os Sete Reinos de Exu e todas as energias advindas dos mesmos.

No culto da Quimbanda Brasileira, são louvados Sete Reinos de Exu:

Encruzilhadas;
Cruzeiros;
Kalunga;
Matas;
Almas;
Lira;
Praia (Kalunga Grande).

Cada dirigente espiritual usa uma sequência esotérica para misturar essas terras, assim como nós temos nossa própria forma de fazer. O mais importante é saber exatamente as palavras de força (rezas) corretas para ativar essa mistura. Sem esse procedimento, as terras, apesar de conterem a essência desses pontos representativos, não vão atingir a plenitude energética necessária para sustentar o corpo de Exu.

Outros tipos de Terra também podem fazer parte dessa massa. Terras de pontos de força de todo mundo são excelentes para agregar energias, tais como vulcões, desertos, campos de guerra, lugares onde existiram grande templos de antigas civilizações, terras de aldeia indígena, dentre outras.

Na massa/corpo também costumamos usar outros elementos que representem os três tipos de sangue tais como: Osun, dendê (epo), Yerosun ( ìyèrosùn), pó de pemba, cinzas diversas, pó de carvão, enxofre, dentre outros. Essa mistura de Terras e elementos deve ser modelada com água e aguardente e um composto feito a base de ervas de Exu.

Feita a massa/corpo, fecha-se (lacra-se) o “Vaso” de Exu deixando apenas o “Okuta” parcialmente para fora, pois a partir dele, todo fetiche será imantado através do derramamento ritualístico de “Kydai”. Esse rito propicia aos “Exus-Eguns ou Catiços” o renascimento repleto de poder, força e ancestralidade.

Entendemos que após a feitura dos vasos, os mesmos agirão como vórtices de energia. Essa energia é representada simbologicamente por um espiral anti-horário. Além de ser o receptáculo de um ancestral, o “vaso” também age como uma espécie de micro buraco negro, uma pequena reprodução da criação.

NÃO ENCONTRO O QUE PROCURA USE BUSCADOR

Digite na caixa de pesquisa abaixo o que deseja encontrar no Site

Agradecemos sua visita Volte sempre....

 

 

Traduzir Esta Página


Av.na Sofhia Rasgulaeff  177.

Jardim Alvorada/ Maringá /Paraná

Telefone: (44) 3034-5827 (44) 99956-8463 

Consultas Somente com Hora Marcada.

Atendimento: de Segunda a sexta-feira

Das 09:00 as 19:00.

Não damos consultas via whatsapp 


"Que Ogum te Abençoe hoje e sempre".


Os textos apresentados na sua maioria foram retirados , da internet. Esse é um espaço onde colocamos diversos pensamentos e o nosso principal objetivo é a divulgação da nossa Umbanda. Quando algum texto for de autoria do Centro Pai João de angola, o responsável será indicado; da mesma forma que fazemos com outros autores que não têm vínculos com a nossa casa... Comunicado Importante: Este é um Site totalmente gratuito, sem fim comercial ou lucrativo. Algumas imagens e informações provêm de outros sites na internet. Caso você seja o detentor do Copyright de qualquer uma delas, e deseje que ela seja retirada, por favor, é só nos mandar uma mensagem citando o nome e a localização para sua remoção imediata. Não temos o objetivo de nos apropriar de informações alheias tomando-as como nossa, pelo contrário, sempre que possível, colocaremos o nome do autor abaixo do título para deixar bem claro que a intenção é de divulgar a Umbanda através de textos bem elaborados e esclarecedores. Saiba que o Centro Pai João de Angola está isento de qualquer responsabilidade.


Deste Site